Logo - King Kenzo
.Home .O autor
_.Ideias _.Parceiros
__.Roteiros __.Contato
___.Postgens

Quando escrever


Uma das tarefas mais complicadas no processo de criação é saber quando o projeto está planejado o suficiente e é hora de botar a mão nas teclas. Vai de cada um, da sua habilidade de escrever/improvisar (que é recomendado treinar, então não é tão decisivo) e do level de sua neurose, mas seguem algumas matutações que espero que ajude.

Muita coisa muda enquanto escreve, então é válido ser um bucadinho precoce para decidir começar. Imagine o planejamento como uma viagem de ônibus, o que você faz ao planejar é criar o caminho (história) e os pontos (partes importantes). O que acontece durante a viagem dificilmente vem com o planejamento. Seu personagem vai entrar no ônibus e mirar no próximo ponto, se ele sentar e dormir até lá não vai ter graça, e por melhor que sejam esses pontos a coisa vai ser chata, pois as paradas são rápidas se comparadas ao tempo de viagem. É na escrita que você define os passageiros, as conversas, brincadeiras e tudo mais que torna a viagem menos chata. Não tem como negar, os pontos são o que vão tornar seu projeto algo espetacular (logo é importante planejar bem), mas a viagem é importante também, e o valor que ela pode agregar aos pontos pode ser a diferença entre a insegurança de escrever e o sangue nos dedos de tanto digitar.

Ouça o seu coração... e se for do sexo masculino, suas tripas. Você é o primeiro controle de qualidade, se o projeto não estiver bom não vai ter vontade de escrever, e se não tiver vontade, não escreva até ter um mínimo de vontade.
Tem que ver também se não está sendo rigoroso demais. É só imaginar como o público alvo receberia o que tem do projeto, se o resultado for positivo, você está sendo rigoroso consigo mesmo (o que é bom caso todo esse rigor faça sentido). Nesse caso pare para localizar o que te incomoda e faça os reparos. Agora, se o que incomoda é um “sei lá” recomendo que siga o próximo parágrafo.

Mostre o planejamento do seu projeto a alguém sincero e confiável. Procure roteiristas com o mesmo objetivo e troquem ideias. Eles vão te ajudar com o seu projeto e você pode ajudar eles com os deles (isso também te ajuda a crescer como roteirista... e pessoa). Se elogios e críticas não te motivarem a escrever só há uma solução.

Escreva na marra! Deixa de frescura e começa a catar o milho. Se ficar ruim ficou, melhora depois... ia ser legal terminar o artigo aqui, mas tem mais.
Sei que é chato reescrever (e que forçar contradiz algo que disse antes :P), mas isso ajuda. Você vai estar mais preparado, já vai ter traçado o caminho, vai saber quem são os passageiros (facilitando encontrar onde melhora-los), vai saber como chegar aos pontos (e provavelmente como extrair mais deles usando os passageiros) e principalmente vai visualizar o projeto como um todo.

Criar do zero é complicado, planejar também, por isso existem tantos projetos “iguais”. Todos os ônibus e pontos são teoricamente iguais, o que muda é o que acontece dentro deles, e você só vai saber o que acontece lá dentro se embarcar no ônibus certo e seguir viagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© King Kenzo - 2014. Todos os direitos reservados. Esse site não funciona direito no celular... foi mal :P Tecnologia do Blogger